Bem-vindo à Tecassistiva - Tecnologia e Acessibilidade

COVID-19 – Guia para pessoas com deficiência visual

Pessoas com deficiência visual têm necessidades especiais para interpretar os ambientes que as cercam. A Organização Mundial da Saúde classificou o surto de COVID-19 (ou corona vírus) como uma “pandemia” na quarta-feira passada. O anúncio não altera nenhuma recomendação de como impedir a propagação do vírus, embora muitos Estados estejam intensificando esforços de “isolamento social”, como fechar escolas e proibir grandes reuniões.

Você pode pensar que ouviu mais do que pode lidar sobre o recente surto de COVID-19. Mas a desinformação é desenfreada e pode ser difícil saber em quais informações confiar. Por isso, a Tecassistiva traz uma cartilha sobre o COVID-19, que inclui recomendações específicas para deficientes para lidar com esse surto e como encontrar informações atualizadas em que você pode confiar. As recomendações em pouco diferem das que são divulgadas para a população em geral. No entanto, é sempre importante estar atento às especificidades de cada situação. Vamos lá?

O que é?

COVID-19 é uma nova infecção respiratória que faz parte de uma grande família de vírus conhecida como coronavírus. Alguns coronavírus apresentam sintomas relativamente leves, mas outros, como SARS e MERS, podem causar sintomas mais graves como: pneumonia, insuficiência renal e até morte. O COVID-19 também pode causar esses tipos de sintomas graves, especialmente para pessoas com complicações de saúde pré-existentes.

Aqueles em maior risco incluem:

• Pessoas com lesões de nível superior que apresentam função pulmonar prejudicada, especialmente aquelas que necessitam do uso de um ventilador.

• Pessoas com esclerose múltipla ou outros distúrbios imunocomprometidos, especialmente aqueles cujo tratamento inclui medicamentos imunossupressores.

• Pessoas que têm condições crônicas de saúde subjacentes, como pressão alta, doenças cardíacas ou diabetes.

Como é transmitido:

O COVID-19 se espalha da mesma maneira que a maioria dos outros vírus respiratórios – através da exposição a gotículas carregadas de vírus liberadas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra. Se essas gotículas atingirem o nariz, a boca ou os olhos de outra pessoa, essa pessoa poderá ser infectada. De acordo com o CDC, as evidências atuais sugerem que o novo coronavírus pode permanecer viável por horas a dias em superfícies feitas de uma variedade de materiais. Se um indivíduo tocar uma superfície com vírus viáveis ​​e transferir o vírus para suas membranas mucosas (nariz, olhos ou boca, provavelmente), eles poderão ser infectados.

Há controvérsia, e nenhuma evidência clara de qualquer maneira, sobre se o vírus pode ter transmissão aérea, dando-lhe um alcance mais amplo do que se fosse transmitido apenas através de gotículas. Atualmente, os especialistas acreditam que as pessoas são mais contagiosas quando são mais sintomáticas, embora seja possível que alguém derrame o vírus mesmo quando não apresenta sintomas.

Como prevenir infecções e transmissão:

As etapas recomendadas pelos especialistas para prevenir a infecção pelo COVID-19 são as mesmas para a prevenção da gripe:

• Lave as mãos por pelo menos 20 segundos. Algumas pessoas recomendam cantar um refrão com uma música favorita em sua cabeça para ajudá-lo a avaliar o tempo. Se você tem uma função limitada de mãos e / ou braços que dificulta a lavagem das mãos em uma pia, um desinfetante para as mãos à base de álcool com pelo menos 60% de álcool é suficiente. O uso frequente de lavagem das mãos e desinfetante pode secar a pele, portanto, você pode precisar usar loção mais do que o normal para evitar rachaduras e outros problemas de pele.

• Evite tocar seu rosto. Pensa-se que infecções como o coronavírus não podem entrar no seu sistema através da pele. Eles precisam de um caminho mais permeável, como as membranas mucosas do nariz, boca e olhos. Se você conseguir ficar a um metro e meio de distância de pessoas sintomáticas, como recomendam os especialistas, e manter as mãos afastadas do rosto, suas chances de contrair o vírus são muito reduzidas.

• Cubra sua tosse, mas não com a mão. Se você tossir em um lenço de papel, jogue-o fora. Se não houver tecido disponível, cubra com o braço (nunca com as mãos).

• Desinfecte regularmente as superfícies, especialmente aquelas que são tocadas frequentemente. Misturas de álcool etanol de alta concentração (70%), peróxido de hidrogênio e alvejante são todos desinfetantes eficazes. 

Os usuários manuais de cadeira de rodas, especialmente aqueles com maior risco de sintomas graves devido a complicações secundárias, devem considerar desinfetar regularmente as partes de contato regular com as mãos.

• Evite o contato com pessoas sintomáticas.

• Evite multidões ou lugares onde muitas pessoas se reúnem.

Cuidadores:

Para quem depende de serviços de cuidadores ou auxiliares, o surto de COVID-19 pode ser especialmente preocupante. Você não pode se colocar em quarentena para evitar o vírus quando depende de mãos extras para ajudar com suas necessidades diárias. 

Tenha em mente:

• Você tem todo o direito de pedir aos profissionais de saúde que usem uma máscara se tiverem entrado em contato com alguém que tenha mostrado possíveis sintomas da gripe ou COVID-19, mesmo que eles próprios não sejam sintomáticos.

• Você pode pedir aos cuidadores para lavar as mãos ou usar um desinfetante para as mãos antes de cada vez que tocarem em você.

Mas o que você deve fazer se seus profissionais de saúde param de aparecer no trabalho ou se sua agência de assistência domiciliar reduz horas por causa de falta de pessoal? 

• Avalies se existem tarefas que você pode fazer por conta própria se tiver os suprimentos adequados.

• Procure familiares e amigos que poderiam ajudar em algumas tarefas. 

• Converse para preparar qualquer pessoa em que possa precisar confiar em caso de emergência.

Como se manter informado: 

O surto de COVID-19 é uma situação médica em rápida evolução. À medida que mais dados ficam disponíveis para os pesquisadores em saúde, as diretrizes e as melhores práticas podem mudar. Não confie em informações nas mídias sociais, a menos que você possa verificá-las através de várias fontes confiáveis. 

• Organização Mundial da Saúde

• Ministério da Saúde

• Secretaria de Saúde do seu estado ou da sua cidade

Caso você precise se dirigir a um hospital, saiba o que esperar dos profissionais de saúde em relação ao atendimento de pessoas com deficiência visual:

Sabemos que as pessoas cegas ou com baixa visão têm necessidades especiais para interpretar seu ambiente. Por isso, veja a seguir como orientar os profissionais de saúde caso você precise ir a um hospital.

  • Os profissionais de saúde devem se apresentar e dirigir-se a você pelo nome, para que você saiba que estão falando com você e não com outro paciente que esteja no leito.
  • Apresentar você a todos os colegas de quarto.
  • Perguntar o que você é capaz de ver. Nem todos os deficientes visuais são totalmente cegos.
  • Perguntar que tipo de assistência você precisa, em vez de tentar adivinhar.
  • Certificar-se de que você seja incluído nas discussões sobre procedimentos e planos médicos, afinal ter problemas de visão não significa que se pode ouvir ou entender o que está sendo dito.
  • Indicar quando estiver saindo do leito.

Pacientes na cama

  • Colocar  um ‘sinal de identificação do acima da sua cama e / ou da porta do leito.
  • Considerar uma iluminação extra ajustável caso você tenha visão residual útil.
  • Marcar seus frascos de comprimidos com etiquetas grandes ou uma marcação tátil em Braille.
  • Você pode solicitar uma cama de canto para facilitar a localização, evitar confusão com o equipamento de outro paciente e ajudar a organizar seus pertences mais facilmente.
  • Caso seus pertences sejam colocados em um local diferente, você deve ser informado.
  • O profissional de saúde deve sempre informá-lo antes de realizar qualquer procedimento, afinal ser tocado sem aviso prévio pode ser muito irritante, sobretudo numa situação tensa como uma internação.
  • Você deve ser orientado sobre a disposição do quarto, começando em um ponto central, como a cama.
  • Ao orientá-lo sobre uma nova área, o ideal é que o profissional de saúde caminhe com você por essa área em vez de dar apenas instruções verbais. 
  • Manter os caminhos e os corredores sem obstáculos, sempre que possível, e informar você sobre quaisquer alterações no ambiente.

Crianças:

A equipe médica deve conversar com os pais para discutir quaisquer necessidades especiais que a criança possa ter, antes de serem admitidas. Se isso não for possível, inicialmente um dos pais deve ficar com a criança ou fazer uma visita prolongada enquanto o ambiente ainda não é familiar.

Informações extras:

Ao usar um transporte público durante uma epidemia, é 100% certeza que em suas roupas e cabelos existem vírus vivos da doença e se apenas um desses vírus atingir as mucosas dos olhos, boca ou nariz, a pessoa será infectada. 

Estratégia:

Tendo consciência disso, não passar os dedos nos olhos, na boca e nem no nariz.

Chegar em casa e não tocar em nada e nem em ninguém antes de lavar as mãos.

Retire a roupa que usou e pendure num local de pouco movimento e deixe a roupa lá por no mínimo 8 horas, lembre que sobre a roupa os vírus ficam vivos por 6 horas. Você pendura as roupas à noite e de manhã os vírus já estarão mortos e você poderá usar essas roupas novamente mesmo que não tenham sido lavadas.

Lave os cabelos.

Não vá dormir com os cabelos infectados.

 O vírus é altamente sensível ao pH básico do sabão, sabonete, detergente; o shampoo não é muito eficiente pH quase neutro, use sabonete nos cabelos, é melhor. 

Ao tocar maçanetas, torneiras ou qualquer superfície lisa onde outras pessoas tocaram antes, em seguida não toque nos olhos, nariz nem boca, lave as mãos o quanto antes.

Mantenha sua casa restrita a sua família mais íntima, não receba visitas durante a quarentena. Não adianta você tomar todos esses cuidados se as visitas não fizerem o mesmo. 

Se possível durmam em cômodos diferentes da casa.

Desinfetantes.

O vírus é altamente vulnerável a qualquer desinfetante, água sanitária, Lysoform, Pinho Sol e,  com destaque o álcool etílico porque esse pode ser aplicado sobre a pele mas os outros não. As autoridades recomendam  á população o uso do álcool gel 70° que contém 70% de álcool e 30% de água, recomendam esse porque esse não é explosivo, contudo quanto menos diluído for o álcool mais desinfetante ele é; em laboratório é comum usarmos o álcool 92° mas a venda ao público é proibida porque esse é altamente inflamável e explosivo mas contudo é esse que eu uso para mim mesmo, precisa ter muito cuidado para não incendia-lo, os acidentes com esse tipo de álcool costumam ser muito graves, a garrafa explode e incendeia tudo ao seu redor. 

Existe também o álcool absoluto 100% álcool e 0% de água mas esse vai queimar a sua pele e é muito caro também. 

O álcool 46° usado em limpeza é fraco mas é melhor que álcool nenhum, é útil para as mãos e limpeza de superfícies lisas. 

Use máscara cirúrgica todas as vezes que sair de casa ou for se aproximar de outras pessoas.


FIQUE POR DENTRO

Deixe seu nome e email que mandaremos informativos atualizados periodicamente