Bem-vindo à Tecassistiva - Tecnologia e Acessibilidade

Nova tecnologia faz espanhola voltar a enxergar após 15 anos

Sempre atento a tecnologia para favorecer a pessoa com deficiência visual, o Blog Tecassistiva vem informar uma grande novidade, em desenvolvimento: uma mulher cega conseguiu enxergar graças a uma nova tecnologia desenvolvida na Espanha. Bernardeta Gómez, de 57 anos, sofre de neuropatía óptica tóxica, condição que a fez perder completamente a visão há 15 anos. Pesquisadores da Universidade de Miguel Hernandez conectaram um dispositivo ao cérebro de Bernardeta que a ajudou a reconhecer luzes, letras, formas e até pessoas. 

Como funciona

Uma câmera embutida acoplada num par de óculos registra o que seria o campo de visão de Bernardeta e o envia para um computador. O computador converte os dados em impulsos elétricos que o cérebro pode ler e os encaminha para um implante por meio de um cabo conectado ao crânio. O implante, por sua vez, estimula os neurônios no córtex visual e o cérebro interpreta como informação sensorial recebida. 

O estudo é conduzido por Eduardo Fernandez, diretor de neuroengenharia da Universidade, e ainda está em fase inicial. Entretanto, graças ao novo processo, Bernardeta passou a perceber uma representação em baixa resolução de seus arredores em forma de pontos e manchas amarelas. Eles são chamados de fosfenos, e ela aprendeu a interpretá-los como objetos ao seu redor. A equipe pretende porém trabalhar com mais cinco pacientes nos próximos anos. 

Não é a primeira vez que os pesquisadores usam a tecnologia para ajudar os cegos a verem novamente. As retinas artificiais já existem há cerca de duas décadas e vem ajudando pessoas que sofrem de doenças que afetam a retina. Os sistemas Argus da empresa Second Sight, por exemplo, também usam uma câmera acoplada a um par de óculos e um computador para traduzir dados sensoriais. A diferença é que no sistema antigo, o implante é incorporado à retina e não ao cérebro. Esses “olhos biônicos” já são comercializados a pacientes elegíveis desde 2011 na União Europeia e 2013 nos EUA. Segundo a MIT Technology Review, cerca de 350 pessoas usam o sistema. Essa tecnologia, porém, não pode ajudar em casos como o de Bernardeta em que a cegueira se origina além da retina. Já a nova tecnologia, testada por Bernardete  envia sinais diretamente para o córtex visual do cérebro, sem que a informação tenha que passar pelos olhos. 

No ano passado, a Second Sight participou de pesquisas em parceria com a UCLA e Baylor, testando um sistema que também envia informações visuais diretamente ao cérebro. O sistema, chamado Orion, é semelhante ao Argus II. Uma câmera de vídeo acoplada a um par de óculos envia informações que são convertidas em pulsos elétricos, que por  meio de um implante, estimulam o cérebro. O dispositivo é sem fio e inclui um botão para amplificar objetos escuros ao sol ou objetos claros no escuro. Assim como no sistema de Fernandez, o usuário vê um padrão de fosfenos de baixa resolução que interpreta como objetos.

Desafios e Perspectivas

Apesar de as pesquisas serem muito promissoras, os implantes cerebrais são muito mais arriscados que os implantes oculares e pode levar anos até que esses novos dispositivos sejam amplamente utilizados para além da pesquisa. No entanto, as interfaces cérebro-máquina (IMC) vêm avançando de forma acelerada em diversas frentes.

O implante usado na pesquisa de Fernandez é um dispositivo bastante comum chamado “Array”. A matriz tem milímetros de largura e contém eletrodos que são inseridas no cérebro. Cada um deles estimula alguns neurônios. Atualmente, implantes semelhantes ajudam pessoas com paralisia a controlar braços robóticos ou digitar mensagens apenas com seus pensamentos.

Um dos grandes desafios dos pesquisadores agora é que os eletrodos podem danificar o tecido cerebral deteriorando-o rapidamente. O dispositivo ideal seria sem fio, duraria por muitos anos no cérebro – limitando o número de cirurgias necessárias – e ofereceria maior precisão e resolução. Ferndandez acredita que seu implante pode ser aprimorado para durar décadas e, embora a resolução máxima atual seja de 10 por 10 pixels, ele acredita que poderá chegar a implantar até 6 em cada lado do cérebro para fornecer uma resolução de, pelo menos, 60 por 60 pixels.

O processo desenvolvido pela equipe de Fernandez é bem mais do que hardware. A equipe usou inteligência artificial, por exemplo, para escrever o software que traduz informações visuais em código neural. Isso pode ser refinado ainda mais, nos próximos anos, à medida que eles trabalham no sistema como um todo.

Permaneça conectado no Blog Tecassistiva, acompanhando nossa participação nos Congressos de Oftalmologistas, projetos realizados em Universidades, Secretarias de Educação, Bibliotecas, atento ao desenvolvimento dessa e de outras tecnologias voltadas para as pessoas com deficiência.



FIQUE POR DENTRO

Deixe seu nome e email que mandaremos informativos atualizados periodicamente